sábado, 27 de setembro de 2008

TCCendo e sobrevivendo

Quanto tempo você levaria para escrever um livro? Um ano? Dois?
E se você tivesse que escrevê-lo em 4 MESES? É, eu também não acreditava, mas agora caiu a ficha. Se pudesse definir o momento nessa fase da minha vida acadêmica com uma palavra, essa seria a mais adequada: “FODEU!”

Eu sempre fui apaixonada pelo universo feminino. Wanna be Carrie Bradshaw! Porém, escolhemos o tema certo na hora errada. O nosso tcc é um livro reportagem que fala sobre a atuação das mulheres na política. Bacana, ? Lindo. Mas e aí, falaríamos sobre quais políticas? Sim, porque fazer sobre as mulheres mais poderosas na política no mundo, por exemplo, seria um trabalho para a ONU, e não para um trio de focas...

Esse é o primeiro pesadelo do TCC “A PORRA DO RECORTE”. Se você faz jornalismo essa palavra será tão usada nas suas apresentações quanto as palavras “proatividade e perfeccionismo” são usadas em entrevista de emprego e “temos que estar analisando” em palestras de incentivo e por operadores de telemarketing. Mas voltando ao assunto, o nosso tema está ‘em alta’, afinal, em 2010 é muito provável que tenhamos uma presidenta da República Federativa do Brasil. A paixão foi imediata! Resumindo a história: conseguimos definir esse recorte no último minuto do segundo tempo, e passamos na matéria destinada definir o recorte com um parco 7 e, acredito, por solidariedade das professoras.
Tudo muito bem, tudo muito bom. Depois de definido o recorte _mulheres que conseguiram eleger-se por meio do voto direto, e que conquistaram projeção nacional na política_ era hora da ação. Contatos em mãos, vamos aos interurbanos (ainda bem que a multinacional onde eu faço estágio e a revista onde a minha amiga trabalhava não são 'canguinhas' e nem nossos chefes ficam na cobrança...). Depois da terceira ligação percebemos o 'balaio de gato' no qual havíamos nos envolvido. Político já não tem tempo, para estudante, e em época eleitoral então... nos esquecemos totalmente desse detalhe...

O nosso primeiro entrevistado foi o senador Eduardo Suplicy. Fomos tomar um cafezinho na casa dele. É verdade, o entrevistamos na sua residência. Já havíamos tentado falar com a deputada Luiza Erundina, mas a sua assessora nos dispensou dizendo que não iríamos entrevistá-la porque ela não tinha tempo (que novidade)... Eu não aceito 'não' como resposta assim, tão fácil, então quando estávamos terminando a entrevista com o senador eu pedi, na 'cara larga', para que ele nos ajudasse, já que é íntimo da Deputada. Ele ligou para a casa dela e, surpresa: no dia seguinte a deputada ligou no meu celular dizendo que nos atenderia. No contato seguinte com a assessora, como já era de se imaginar, ela não estava nada satisfeita. Segue a segunda frase pronunciada por ela nessa tensa ligação: “É, vocês me furaram, ?" Bem, sem mais comentários sobre esse assunto.

Mesmo com a intervenção do Suplicy, a entrevista só saiu praticamente um mês depois, mas saiu.

Para resumir toda a nossa via crucis, já marcamos entrevista com duas fontes no Rio Grande do Sul, eu fui com as malas para o trabalho para -de lá- pegar ônibus no terminal Tietê (18 horas de estrada, estudante dura é fogo!!), mas ela foi cancelada algumas horas antes do nosso embarque. Resultado: Duas entrevistas que serão feitas pelo telefone. Uma delas foi feita pela minha amiga a semana passada e a outra "se Deus quiser" será feita neste domingo.
Faltarão as outras três que estão incomunicáveis por conta da proximidade do pleito. Um delas, a Benedita da Silva que assim como a Erundina não está competindo, mas apóia outras colegas, já reservou na sua agenda duas horinhas no dia 8. Iremos ao Rio para entrevistá-la. Na mesma semana seguimos para Brasília para entrevistarmos Marina da Silva.

Nesse meio de campo, como estávamos com muito medo de não dar certo, decidimos fazer outra 'porra de recorte'. Sim essa palavra de novo. Não poderíamos ficar na dependência da disponibilidade das nossas entrevistadas. Então agora estamos assim, tocando dois TCCs ao mesmo tempo, porque não queremos correr risco de fazer o trabalho em um momento mais oportuno, entenda-se no semestre que vem, fora do período eleitoral.
Graças a Deus temos uma orientadora que surgiu de forma inesperada mas é uma fofa e que segura as nossas pontas!

Ah, fiquei um tempão sem postar, mas pelo menos agora eu voltei com muitas novidades e pouca melancolia...

2 comentários:

Huguinho disse...

O TCC acaba conosco. Na hora da escolha do tema, são aquela alegria e aquele entusiasmo. Aí, quando começa o momento digitação e estruturação, bate o desespero e nervosismo questionando porque não escolhei um tema mais fácil?
Já entrguei o meu e agora estou esperando marcarem a data da apresentação.´
Nossa, é complicado tocar um e vcs estão com 2!!!
Abraços e bom TCCC!!!

Denise Moura disse...

Cara Louis,

estava eu, bela e contente, procurando um site e encontrei o seu blog!
Vi que vc é uma jornalista, profissão que eu amo! Vi que vc tem um nome lindo, o mesmo que o meu! E que o nome do seu blog é o filme que eu assisti semana passada...
Vc não é ariana, né?!

Bom... só quis mesmo compartilhar isso, e desejar boa sorte no seu tcc! Simplesmente adorei o tema!
Perfeito!

Tudo de bom para vc!